TREINAMENTO DE FORÇA E DIABETES MELLITUS GESTACIONAL

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp


O diabetes mellitus gestacional (DMG) é definido como uma intolerância a carboidratos de gravidade variável, que se inicia durante a gestação atual e não preenche os critérios diagnósticos de diabetes. A incidência de DMG tem aumentado em paralelo com o aumento do DM tipo 2 e da obesidade na população. A doença repercute negativamente na evolução da gravidez e na saúde do feto. Alguns fatores podem aumentar o risco do DMG, como: idade superior ou igual a 35 anos; sobrepeso/obesidade ou ganho excessivo de peso na gravidez; história familiar de diabetes; tamanho fetal superior a idade gestacional, hipertensão ou pré-eclâmpsia; síndrome de ovários policísticos, entre outros. A recomendação de tratamento inicial do DMG consiste em orientação alimentar e prática de exercícios físicos com objetivo de controle metabólico e do ganho de peso. Grávidas que não tenham contraindicações para realizar exercícios físicos podem fazê-los diariamente, realizados de preferência após as refeições.

Em recente revisão sistemática, Laredo-Aguilera e colaboradores (2020) investigaram os efeitos dos exercícios físicos no controle da doença. Neste estudo, os autores realizaram uma busca sistemática em diferentes bases de dados (Cochrane, Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), EBSCOhost, Pubmed, Scopus, Web os Science e Proquest) de artigos publicados nos últimos 12 anos, considerando critérios de inclusão e exclusão (disponíveis no paper). Seis estudos randomizados controlados e um estudo de caso-controle observacional de alta qualidade foram selecionados. Os desfechos avaliados foram a glicemia de jejum e pós-prandial, a HbcA1, bem como a necessidade e a quantidade de insulina utilizada. Dentre os principais resultados do estudo, os autores encontraram uma relação positiva entre a prática de exercícios e o controle do DMG; e que os exercícios resistidos, aeróbicos ou combinados foram eficazes para o controle da glicose, HbcA1 e insulina. Devido à variabilidade dos protocolos analisados, o estudo não permitiu recomendar “determinada” modalidade. Entretanto, os autores sugeriram que qualquer exercício realizado com duração entre 20 e 50 minutos, no mínimo 2 vezes por semana, com intensidade moderada, poderia trazer benefícios para gestantes com DMG.

Numa metanálise recém publicada por Yaping e colaboradores (2020), os autores apresentaram benefícios específicos do treinamento de força para gestantes com DMG. Os resultados demonstraram que o treinamento de força pode reduzir os níveis de glicose no sangue, incluindo a glicemia de jejum e pós-prandial; a quantidade de gestantes que necessitam de insulina e/ou sua dose; e a incidência de macrossomia. Os autores sugerem que tais resultados podem estar relacionados aos mecanismos pelos quais o treinamento de força regula a sensibilidade à insulina, os níveis de glicose e os marcadores pró-inflamatórios em indivíduos com diabetes.  Embora estudos sobre a manipulação das variáveis metodológicas do treinamento força em gestantes com DMG ainda sejam escassos, os resultados supracitados já sugerem que a referida prática é digna de promoção clínica para gestantes.

De forma geral, a literatura apresenta algumas orientações que podem auxiliar na prescrição: frequência 3 a 5 x semana; combinar exercícios aeróbios e de força em terra e água; 30 – 45 minutos de duração; percepção subjetiva de esforço (PSE) leve a moderada para iniciantes; e PSE moderada a forte para intermediárias e avançadas. Adicionalmente, alguns cuidados também precisam ser ressaltados, como: monitorização glicêmica, utilizar calçados confortáveis, manter a hidratação adequada, cautela com a duração do treino por causa da hipoglicemia, conhecer os efeitos dos medicamentos utilizados pela gestante, considerar o trabalho multidisciplinar sempre que possível, entre outros.

Referências:

 

  • Laredo-Aguilera JA, Gallardo-Bravo M, Rabanales-Sotos JA, Cobo-Cuenca AI, Carmona-Torres JM. Physical Activity Programs during Pregnancy Are Effective for the Control of Gestational Diabetes Mellitus. Int J Environ Res Public Health. 2020 Aug 24;17(17):6151. doi: 10.3390/ijerph17176151. IJERPH | Free Full-Text | Physical Activity Programs during Pregnancy Are Effective for the Control of Gestational Diabetes Mellitus (mdpi.com)

    IJERPH | Free Full-Text |
    Physical Activity Programs during Pregnancy Are Effective for the Control of
    Gestational Diabetes Mellitus (mdpi.com)

  • Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2017-2018): Diabetes mellitus gestacional: diagnóstico, tratamento e acompanhamento pós-gestação.

    diretrizes-sbd-2017-2018.pdf
    (diabetes.org.br)

  • Yaping X, et al. A meta-analysis of the effects of resistance training on blood sugar and pregnancy outcomes. doi: 10.1016/j.midw.2020.102839

    A meta-analysis of the effects of resistance training on blood sugar and pregnancy outcomes – ScienceDirect

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Outros Conteúdos

Assine a nossa Newsletter